Notícias Fei

Um líder versátil preparado pela FEI

Um líder versátil preparado pela FEI


  17/07/2020

Em bate papo com a FEI, Danilo Ferreira, CTO da Mandaê falou sobre a sua trajetória profissional, a importância da formação na FEI e o crescimento contínuo da sua área de atuação.

“Desde que eu entrei na FEI o meu sentimento é de orgulho. A FEI forma caráter além de profissionais. Ela trabalha a resiliência das pessoas, o sentimento de pertença. É um sentimento de orgulho que eu carrego até hoje. Eu nunca passei por nenhuma situação em que eu olhasse para os lados e tivesse medo de falar que me formei na FEI, pelo contrário, pois, fazer parte de uma Instituição que não nos deu apenas a profundidade em uma área, mas sim nos deu base para desenvolver essa habilidade de gestão e liderança é o que fez a diferença. E é legal conseguir reconhecer isso nos outros feianos também”.

Esse é sentimento de Danilo Ferreira, formado em Ciência da Computação pela FEI e que acaba de assumir a área de tecnologia como CTO (Chief Technology Officer) da Mandaê, uma empresa que tem ganhado destaque no mercado de tecnologia e logística.

Em bate papo com o Departamento de Marketing e Comunicação da FEI, Danilo Ferreira falou sobre a sua trajetória profissional, a importância da formação na FEI e o crescimento contínuo da sua área de atuação. Confira!

MKTCOM_FEI: Danilo, conta pra gente um pouco da sua trajetória profissional.

Danilo - “Minha trajetória começou ainda em 2003, quando no meio do curso comecei a estagiar na área de desenvolvimento de softwares. Fui desenvolvedor por seis anos, muito focado em implementação e liderança técnica, algo muito importante para mim, principalmente no início, pois mesmo como gerente de engenharia e agora como CTO, algo que sempre disse foi: eu sou técnico! Eu sou formado em Ciência da Computação... passei grande parte da minha carreira codificando, então não é porque estou como CTO que não vou mais falar de tecnologia, não faz sentido. Logo depois, em 2008, eu comecei efetivamente a ingressar mais na área de agilidade - que na época ainda era pouco trabalhado – toda parte de gerenciamento de projetos ágeis e fui me aperfeiçoando para poder me deslocar para essa carreira técnico administrativo, e fui ganhando posições como gerente de projeto, gerente de engenharia e agora como CTO”.

MKTCOM_FEI: Como é estar em uma posição, que podemos considerar uma das mais concorridas no mercado?

Danilo - “De fato, esta é uma área muito difícil de se contratar, pois é uma área saturada do ponto de vista de empresas que estão procurando profissionais, e isso faz com que essas empresas tenham que buscar profissionais em outros estados para trabalharem remotos mesmo, o que por um lado é bom, pois amplia o leque de atuação. Por outro lado, nós nos preocupamos em levar a cultura da empresa muito a sério, porque no final a gente sabe que não é só pelo salário, mas muito mais pelos valores da empresa, do seu líder direto que vão culminar na sua decisão de trocar de empresa. E por mais que seja uma vaga de desenvolvedor júnior, o salário acaba sendo o pilar, mas não o todo, e ter essa visão de que a cultura da empresa e esses valores precisam estar em harmonia com o mercado é imprescindível, senão você acaba brigando por dinheiro”.

MKTCOM_FEI: Quais são os desafios na gestão das equipes e diferentes gerações?

Danilo - Falando mais precisamente sobre a geração Z, que é uma geração que nós ainda estamos tentando entender, com olhar diferente dos da minha geração, e olha que nem estamos falando de tanto tempo assim! É uma geração que considera outros fatores em que precisamos reconhecer a necessidade de aprendizado, de ambos os lados, com mudança permanente do comportamento dessa geração e da cultura da empresa. Mas ainda há um processo de adaptação, onde precisamos nos acostumar com essa geração questionadora, que de certo modo é muito relevante”.

MKTCOM_FEI: A área de tecnologia contínua aquecida?

Danilo - “Quando você tira um componente local, ou seja, começa a trabalhar em nível remoto e mundial, você tem um crescimento competitivo. Recentemente eu entrevistei um profissional que morava na Alemanha e que trabalhava remoto aqui pela empresa, o que para ele fazia total sentido. Agora não estamos mais competindo com um profissional aqui de São Paulo, Fortaleza ou Blumenau, e sim a nível mundial”.

MKTCOM_FEI: A formação de cientista da computação é versátil?

Danilo - “Nós estamos falando de uma área de extrema abrangência de atuação. Da turma que se formou comigo, somente eu estou na área de desenvolvimento. A computação é uma área tão ampla, multifuncional e abrangente. Você pode atuar na área de tecnologia, mas que dialoga com outra área que nada tem a ver. A gente tem grandes domínios de tecnologia. Desenvolvimento é uma, infraestrutura é outra, suporte, segurança de dados que é algo que ainda vai crescer demais agora com a LGPD. É uma área extremamente abrangente e que pode ser encaixada em outras subáreas, pois elas vão se interagir. Quando falamos de transformação digital, nos referimos à tecnologia invadindo todos os negócios”.

MKTCOM_FEI: Quais são os temas dentro da área que ainda podem crescer mais?

Danilo - “Inteligência Artificial, Blockchain, Machine Learning, são tecnologias que no Brasil ainda são muito amadoras. As empresas que conseguirem levar essas tecnologias mais a sério e dialogarem com polos mais fortes como China, Índia, Estados Unidos, que são países com uma cultura tecnológica mais avançada, quando chegarem no Brasil será muito fácil a implantação. É um mercado de oceano azul a ser explorado, ou seja, não terá ninguém para competir”.

MKTCOM_FEI: Tecnologia x Logística, como estamos hoje?

Danilo - “O Brasil é um País de dimensões enormes, com inúmeras possibilidades de malha ferroviária, mas que ainda concentra sua mobilidade em transportes rodoviários. Então, nós temos oportunidades gigantes para explorar isso, não só em modelos de negócio, mas também colocar tecnologias como IA e IoT nessa área. Posso dizer que se não for o maior, pode ser o top 3 entre os seguimentos que vão continuar a crescer durante anos e anos. Nós tivemos o boom da Telecom, e hoje esse boom é a Logística”.

MKTCOM_FEI: Qual legado a FEI deixou em sua vida?

Danilo - “Desde que eu entrei na FEI o meu sentimento é de orgulho. A FEI forma caráter além de profissionais. Ela trabalha a resiliência das pessoas, o sentimento de pertença. É um sentimento de orgulho que eu carrego até hoje. Eu nunca passei por nenhuma situação em que eu olhasse para os lados e tivesse medo de falar que me formei na FEI, pelo contrário. Mas o principal ponto é que a FEI, assim como um professor me disse uma vez, é uma Instituição que não forma apenas engenheiros, administradores ou baixareis em computação, ela forma gerentes, diretores, presidentes. Hoje nós vemos engenheiro como gerente de marketing ou como CFO. Fazer parte de uma Instituição que não nos deu apenas a profundidade em uma área, mas sim nos deu base para desenvolver essa habilidade de gestão e liderança é o que fez a diferença. E é legal conseguir reconhecer isso nos outros feianos também”.

Um conselho

“Durante a nossa carreira profissional, existem muitos momentos que nós somos colocados para baixo, mas de alguma forma você precisa ter algo na sua mente que te puxe para cima de novo. E o que sempre digo é: Uma hora o óbvio acontece. Se você tem certeza que está fazendo a coisa certa, mesmo com os acontecimentos ruins que possam acontecer no meio do caminho, não deixe de acreditar, pois uma hora o óbvio acontece.